TV Plasma evolui, tempo de vida útil aumenta e oferece mais contraste

02 de abril de 2014
Tecnologia, Você certamente  já deve ter ouvido falar que TV de plasma cria manchas na tela, tem pouca durabilidade e exagera no consumo de energia. A maioria desses problemas, apontados quando o formato surgiu no Brasil, em meados de 2006, foram superados pelo avanço tecnológico. Hoje, esse tipo de aparelho é uma opção atraente para quem , em pdf nova versão 2015.
TV-de-Plasma-Samsung

Você certamente  já deve ter ouvido falar que TV de plasma cria manchas na tela, tem pouca durabilidade e exagera no consumo de energia. A maioria desses problemas, apontados quando o formato surgiu no Brasil, em meados de 2006, foram superados pelo avanço tecnológico.

Hoje, esse tipo de aparelho é uma opção atraente para quem gosta de grandes formatos com boa qualidade de imagem.

“O plasma apresenta mais contraste e melhor frequência de imagem, além de maiores ângulos de visão que o LCD”, destaca Carlos Eduardo Vieira, engenheiro do Instituto Pro Teste.

Disponível em telas de 42 a 103 polegadas, o plasma é recomendado a consumidores com mais poder aquisitivo e exigentes no quesito audiovisual.

A taxa de contraste mais acentuada do plasma permite que os tons pretos fiquem mais profundos e os brancos, mais brilhantes. Se um televisor LCD traz uma taxa de 100.000:1, o equivalente de plasma chega a 2.000.000:1.

Já a frequência maior faz com que as imagens tenham mais fluidez, evitando assim aqueles borrões em movimentos bruscos de câmera. Os modelos de LCD têm frequências entre 60 e 480 Hz, enquanto os de plasma alcançam 600 Hz.

A multivisão também é mais rica no plasma: como a imagem é gerada por uma matriz de células revestidas por gases, é possível ver a um ângulo de até 180 graus sem perder qualidade. “No LCD, uma lâmpada única ilumina toda a tela, deixando a imagem pouco nítida se o espectador estiver a 60 graus do aparelho”, diz Vieira.

Outra grande vantagem é o preço. Em relação a uma LCD de 42 polegadas, a de plasma de mesmo tamanho pode custar até R$ 1.000 a menos. A diferença é que esta última não possuirá Full HD, necessário para rodar Blu-ray, games e arquivos de vídeo gravados nessa definição (1.920×1.080 pixels). O plasma traz Full HD a partir de modelos de 50 polegadas.

  • Qual os Riscos

A má fama do plasma no Brasil veio com os produtos de baixa qualidade que chegaram no país há quatro anos. Esses modelos ainda traziam o risco de “burn-in”, isto é, de marcar a tela após uma longa exposição a uma imagem fixa.

Os modelos recentes trazem recursos que fazem sumir a indesejada mancha.

Outro mito antigo da TV de plasma seria o seu pouco tempo de vida útil. Hoje os produtos rendem até 100 mil horas, ou 33 anos se ligados durante oito horas diárias.

Mas o plasma ainda peca no gasto de energia mais elevado. Em média, consome 50% a mais que o LCD. Esse problema pode ser parcialmente contornado em aparelhos com funções que economizam energia.
A relação entre preço e tamanho é outro ponto a ser levado em conta. Não há nenhuma opção de TV de plasma menor que 42 polegadas. Portanto, o consumidor em busca desse formato não irá desembolsar menos que R$ 2.000. Mas pode passar muito disso: um dos modelos mais novos, de 103 polegadas, custa R$ 229 mil.


  • vida util de uma tv de plasmaengenheiro qual marca de teve de plasma 2013 tem durabilidade maior?tempo de vida tv de plasmadura bastante tv plasmatempo de vida de uma tv de plasmaTempo de vida util da tv plasma